Criação de cargos desejada pelo Executivo custaria milhões aos cofres públicos

Hudson Pessini, Kiko Pagliato e Péricles Régis / Foto: Alana Damasceno

Os vereadores Hudson Pessini e Péricles Régis, ambos do MDB, criticaram cargos que pretendem ser criados pelo prefeito de Sorocaba, José Crespo (DEM), com custos milionários, durante a edição desta quarta-feira (31), do Jornal da Ipanema, da Rádio Ipanema.

Todos os cargos custariam em torno de R$ 3,6 milhões para serem mantidos pela Prefeitura de Sorocaba, afirmou o parlamentar.

Pessini criticou o número de cargos e enfatizou o que considerou alto custo aos cofres públicos para mantê-los. Como exemplo, o parlamentar citou uma possível criação de 26 cargos. Entre os pautados na Câmara está o de diretor do Parque tecnológico que, custaria ao ano, R$ 176 mil. Além disso, os vereadores também devem apreciar a criação do Investe Sorocaba, com oito cargos com custo anual de R$ 847 mil. Apenas estes nove cargos chegariam a custar mais de R$ 1 milhão por ano.

Há ainda, segundo o parlamentar, projeto de criação de 12 cargos que custaria R$ 1,7 milhões/ano. “Só de cargo que vão inchar o caixa, que já não tem dinheiro, não está se pagando as contas, querem fazer mais despesas. R$ 3,6 milhões”.

O vereador ainda elencou outros gastos pretendidos por Crespo, entre eles, a TV Mídia Digital Indoor, R$ 2 milhões, R$ 9 milhões de apostilamento, R$ 700 mil de almoço do prefeito, R$ 20 milhões de publicidade.

Nesta última terça-feira (30), saiu da pauta da Câmara a criação de cinco cargos para o Saae.

A Prefeitura de Sorocaba exonerou 10 funcionários do Saae (Serviço Autônomo de Água e Esgoto) e Parque Tecnológico de Sorocaba.

De acordo com o Jornal da Município edição da última segunda-feira (29), entre as exonerações, nove são do Saae, sendo alguns servidores ocupando cargo de assessor técnico.

O Tribunal de Justiça determinou em julho deste ano as exonerações após julgar os cargos inconstitucionais. Segundo o TJ-SP, os cargos deveriam ser direcionados a concursados.

Ipa Online questionou a Prefeitura de Sorocaba a respeito da decisão. De acordo com nota, as exonerações ocorreram por decisão da Justiça. A Prefeitura recorreu. Os nove profissionais do Saae foram exonerados no dia 30 de outubro, já um profissional do Parque Tecnológico foi exonerado na sexta-feira (26).

Bancada do Jornal da Ipanema / Foto: Alana Damasceno

Assista completo a partir de 0:37

3 Comentários

  1. É também por isso que o País não vai para frente, Gestores Públicos estão mais preocupados com os seus próprios umbigos e acomodar a Peixaida e corregilionários de Campanha Política.
    No início do mandato, criou-se uma comitiva para ir a Europa para melhorar a cidade, legal! Cadê o resultado dessa viagem? O que foi executado de concreto? Nada.
    A Administração Pública, não é só aqui não, pelo País afora é especializada em “Moer dinheiro”, se não tem sobrecarrega-se o contribuinte, se não tem Lei, AUMENTA-SE A TAXA DO LIXO, AUMENTA-SE A TAXA MÍNIMA DE ÁGUA, CRIA-SE A FÁBRICA DE MULTA, ETC. ou seja…Sempre dão um jeitinho de ferrar e espremer o Povo.
    Só que não está dando mais, o Povo não aguenta mais. BASTA!!!

  2. Quem precisa de aumento é o funcionalismo publico…algo que realmente valorize nosso trabalho, somado aos riscos que corremos diariamente, em diversas situações.

  3. Rasgando dinheiro público!! Tudo isso para pagar favores políticos!!! Lamentável!! Esperamos que o MP aja firme e faça justiça, pois não aguentamos mais a conversa que não tem dinheiro para educação e saúde, e por este motivo vai terceirizar ( suspeito!! ) E rasga dinheiro público com esses cargos comissionados!! Como o do assessor de Brasília que só foi dinheiro jogado fora e se não fosse o MP, ainda estaria este ralo de.$$ em Brasília! Triste realidade!!

Comments are closed.