Faixa verde na rua da Penha amanhece pintada de preto; via volta a ter vagas

Cortesia

A Prefeitura de Sorocaba pintou de preto as faixas verdes que ampliavam as calçadas da rua da Penha, no centro de Sorocaba. A decisão, que já havia sido anunciada no início do mês, pegou muitos motoristas de surpresa que, sem saber, seguiram parando o carro no meio da via para a descida de passageiros. A via, no entanto, apresenta nova sinalização, com vagas para idosos, descida de estudantes, novas faixas para pedestres e as demarcações da Zona Azul. A Urbes agora deve estudar os dados de satisfação dos pedestres e motoristas para então elaborar um projeto definitivo para aquele trecho do Centro da cidade, em que seja eliminado o desnível entre a faixa verde e a calçada.

O projeto de ampliação temporária das calçadas da rua da Penha durou pouco mais de um mês, de 16 de fevereiro até 23 de março. A intervenção ocorreu no trecho entre os cruzamentos das ruas Miranda de Azevedo, Padre Luiz e Coronel Benedito Pires, em um total de 255 metros de extensão.

De acordo com a Prefeitura, a ampliação experimental das calçadas na rua da Penha, Centro de Sorocaba, chegou ao fim após 36 dias do projeto, com uma média de 22,6% de fluxo de pedestres somente na via estendida (faixa verde). Os dados foram obtidos em sistemas de contagem manual. Na contagem eletrônica, a média diária de pedestres que passou somente na área de ampliação é de 1.485, quase um terço do número médio das pessoas que circularam pela calçada, contabilizado em 4.950.  O projeto foi realizado em 255 metros, entre os cruzamentos das ruas Miranda de Azevedo, Padre Luiz e Coronel Benedito Pires.

Além da contagem, foram realizadas pesquisas de avaliação da proposta e, principalmente, para obtenção de dados fundamentais sobre os pedestres que circulam por lá.  O resultado parcial mostra que 70,6% gostaria que fosse permanente e 55,9% gostou do novo desenho da rua. Outra informação importante obtida reforça a importância do projeto, 60% das pessoas que circulam a pé pelo Centro chegaram até o local de transporte coletivo. Nas próximas semanas os dados completos da pesquisa serão divulgados.

Mesmo que parcial a avaliação a comissão responsável acredita que o projeto atingiu a meta que é dar prioridade ao pedestre. “Durante a intervenção, foram proibidos temporariamente o estacionamento em 17 vagas de carros. Se comparamos este número ao de pedestres, ele acaba sendo muito inferior. Além disso, o projeto promoveu em dois quarteirões características dos modernos e confortáveis centros de cidades que são referências no mundo, onde a população frequenta cafés, lanchonetes e lojas”, declara o secretário da Mobilidade e Acessibilidade, Luiz Alberto Fioravante.

O projeto de alargamento das calçadas deve atender a alta demanda de circulação de pedestres na rua da Penha, corroborando direta e indiretamente para a melhoria do espaço público, ambiental e econômica do espaço urbano, conforme está previsto no Plano Diretor da cidade. O projeto definitivo encontra-se em fase de execução.

As premissas do Programa de Alargamento de Calçadas consistem em desenvolver proteção, diversidade, versatilidade, atratividade, conectividade, resiliência e sustentabilidade. Juntos, eles corroboram direta e indiretamente para a melhoria do espaço público, ambiental e econômica do espaço urbano. Estes critérios estão implícitos nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU e mudam o conceito hierárquico da mobilidade, colocando o pedestre na posição mais importante das prioridades.

O Projeto de Intervenção Temporária foi realizado em conjunto com as secretarias municipais da Conservação, Serviços Públicos e Obra (Serpo); Planejamento e Projeto (Seplan); Meio Ambiente, Parques e Jardins (Sema); Cultura (Secul) e Esportes e Lazer (Semes), assessoradas pela empresa Stúdio K e Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento (ITDP). Na véspera da intervenção, representantes do Instituto vieram a Sorocaba para contribuir com a expertise obtidas com esse mesmo projeto já implantado nos bairros Santana (Zona Norte) e São Miguel Paulista (Zona Leste), da cidade de São Paulo e no bairro da Tijuca, na Zona Norte da cidade do Rio de Janeiro.

 

5 Comentários

  1. Para isso existe os “testes”. Se dá certo fica, se não dá, não fica….

    Mas é muita informação para a Petralhada, então vou traduzir na linguagem Petralha:
    “Então parça, o baguio la tava pá agora ta pum, bem loko ladrão”

    Entenderam agora Petralhada ??? kkkkkkkkkk

  2. Para sua informação , a faixa foi pintada para se fazer testes, agora, como já havia sido planejado, se aprovado fosse as calçadas seriam alargadas.
    Não há nada de confuso quando se trabalha com competência com o fito de se fazer Sorocaba em 2024 uma das cinco melhores cidades para se viver !

Comments are closed.