A comissão processante (CP) que investiga infração político-administrativa do prefeito José Crespo (DEM) vai ouvir na tarde desta quarta-feira (5) as primeiras testemunhas de defesa. São esperadas a presença do secretário municipal de Comunicação, Gilberg Antunes, dos funcionários comissionados Carolina Magoga e Fernando Marques, e do sócio proprietário da empresa DGentil, Luis Carlos Navarro Lopez. As sabatinas começarão às 13 horas, com cobertura total do IPA Online.

A área de comunicação é considerada como o ponto central na posível prática de crime de Usurpação da Função Pública por parte da ex-voluntária Tatiane Pólis, pivô do pedido de cassação do prefeito Crespo. Segundo depoimento do ex-secretário de Comunicação e Eventos, Eloy de Oliveira, à polícia, acompanhado de e-mails que comprovariam as práticas, o ex-titular afirmou que Tatiane, com a autorização do prefeito, praticava trabalho ilegal dentro da Prefeitura e seria remunerada com um salário de R$ 11 mil, proveniente de verbas originárias do contrato de publicidade da Secom.

Uma das funções seria atuar junto aos funcionários que serão ouvidos hoje, em ações de publicidade e marketing virtual, visando a melhoria de imagem do governo Crespo. Uma estrutura, com base na atuação da empresa DGentil, teria sido montada para alavancar a administração do prefeito municipal e até atacar rivais nas redes sociais. Os vereadores querem investigar se realmente houve a prática criminosa.

Na semana passada, o ex-secretário Eloy seria sabatinado pelos vereadores, mas apresentou um documento em que afirmava não ter sua segurança garantida, por estar sofrendo ameaças. No entanto, ele protocolou junto aos parlamentares a íntegra de seu depoimento à polícia sobre o caso. Os vereadores acolheram e afirmaram que vão estudar sobre a necessidade de uma nova convocação.

Eles também sabatinaram a secretária de Cidadania e Participação Popular, Suélei Gonçalves. A sabatina durou 9 minutos e nela os vereadores confirmaram que Tatiane não prestou serviço voluntário cadastrado junto à pasta, que é responsável por todo o serviço voluntariado da Prefeitura.

A comissão processante que investiga o prefeito José Crespo é presidida pelo vereador Silvano Junior (PV), tem como relator Hudson Pessini (MDB) e como membro o vereador Luis Santos (Pros).

Ambiente de tensão

Em entrevista ao Jornal da Ipanema no último dia 24 de maio, o relator da CP, vereador Hudson Pessini (MDB) afirmou que o presidente da Comissão Processante que investiga supostas irregularidades cometidas pelo prefeito José Crespo (DEM), Silvano Júnior (PV), teria sido ameaçado.

“As testemunhas estão com medo. Recebendo ameaças. Medo de sair de casa. Medo de ir à Câmara”, disse. Pessini relatou que, durante a madrugada daquele dia, recebeu quatro ligações do vereador Silvano Júnior, entre à 1 e 2 horas. “Silvano recebeu uma chuva de ameças. Via mensagens e telefonema. Está preocupado e tenso com tudo isso”, disse.

“O Executivo fica preocupado em fazer manobras, coagir os vereadores”, alegou Pessini. “Vamos fazer uma cartilha da quantidade de manobras para tentar prejudicar a Comissão Processante”, ironizou.

Hudson relatou ainda que tem reuniões negadas por secretários de Crespo, provavelmente, por fazer parte da CPI. Em um dos exemplos citados, o parlamentar disse que procurou o presidente da Urbes, Luiz Fioravante, para tratar sobre o caso de morte de um ciclista na avenida Fernando Stecca, mas teve o encontro negado com Fioravante afirmando que “não poderia atendê-lo”.

1 Comentário

  1. Cadeia nesse prefeito!! Doutor Marcelo Carriel e Doutor Sérgio Moro nesse Bandido!!!
    #cresponacadeia

Comments are closed.