Audiência Pública sobre volta de provas equestres termina sem acordo

Reprodução TV Câmara

A audiência pública sobre a volta das provas equestres em Sorocaba terminou sem solução nesta sexta-feira (15) à noite. Representantes dos ativistas da causa ambiental e dos promotores de eventos não conseguiram chegar a um acordo para a criação de um grupo de trabalho e o vereador Luis Santos (PROS) decidiu não colocar em pauta o projeto de lei 285/2018, que permitiria a volta de algumas provas, mas também não se comprometeu a arquivá-lo.

O evento na Câmara Municipal de Sorocaba lotou as dependências do Legislativo. A sessão durou mais de 2 horas e contou com a presença, além do vereador, da vice-prefeita Jaqueline Coutinho (PTB), do secretário de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Renda, Robson Coivo, da presidente da Comissão de Defesa dos Animais da OAB Sorocaba, Jussara Fernandes, do representante do Sindicato Rural de Sorocaba e do Sindicato Patronal de Bares e Restaurantes de Sorocaba, Sérgio Monteiro, do ambientalista e colunista do Jornal da Ipanema, da rádio IPA FM, Gabriel Bitencourt, e da veterinária e representante da Universidade do Cavalo, Cláudia Leschonski.

Gabriel Bitencourt ponderou sobre o retrocesso que representaria o projeto de lei. “A possibilidade da aprovação desse projeto é alterar uma lei que foi aprovada há 11 anos e seria um retrocesso muito grande. Os animais não são coisas e não estão aqui para nos servir. Eles precisam ser respeitados. Eles são seres que estão aqui e estão dividindo este planeta conosco”, disse.

Sérgio Monteiro falou sobre a importância do projeto, que traria desenvolvimento, emprego e renda para toda a região. “Esse país só não quebrou pela força do agronegócio. Então vou pedir educação e respeito aí pra quem tiver”, afirmou referindo-se aos ativistas. “Nós não estamos criando moda. Temos alguns dos maiores criadores do mundo de cavalos aqui”, explicou.

A presidente da Comissão de Defesa dos Animais da OAB Sorocaba, Jussara Fernandes, disse que o grupo já conta com o apoio de 10 vereadores, que se manifestaram contrários ao projeto de Luis Santos, o que faria com que ele fosse rejeitado. “Não importa se o senhor vai tirar ou manter o projeto, ele será vetado. Mas aceitamos conversar, desde que não haja retrocesso”, salientou.

As cadeiras foram divididas entre ativistas e integrantes de tropas. Ambos os lados se manifestaram durante toda a sessão, e em nenhum momento demonstraram disposição para chegar a um acordo.

O vereador Luiz Santos propôs retomar um projeto de lei antigo, que cria o “Samu Animal”, um serviço 24 horas para atendimento a animais de rua, como forma de contrapartida aos organizadores de eventos de provas equestres. Ele sugeriu a criação de uma comissão tri-partite entre ativistas, integrantes do promotores de provas e os vereadores, que não foi aceita.

Como resultado, o parlamentar afirmou que não vai pedir para que seu projeto seja pautado, e pretende conversar com ambos os lados.

Entenda a polêmica

A história da polêmica começou com o agendamento de uma audiência pública para debater o projeto de lei 285/2018, de autoria do vereador Luis Santos (PROS), e tem gerado polêmica nas redes sociais. Tudo porque o parlamentar busca a volta de provas equestres na cidade, o que os ativistas da causa animal entendem como exploração dos equinos e um passo na direção do fim da proibição dos rodeios em Sorocaba.

Luis Santos justifica o apoio à ideia como uma forma de fomentar a atividade turística do município. “Como presidente da Comissão Permanente de Turismo da Câmara, fui procurado por pessoas ligadas ao setor para se definir a realização de provas equestres em Sorocaba, preferencialmente na Semana do Tropeirismo que todo ano ocorre na cidade, fechando a Tropeada Paulista que sai de Itararé, até aqui realizada há anos entre as duas cidades”, explicou.

O projeto de Lei 285/2018, de autoria do vereador, altera a Lei nº 8.354 de 27 de dezembro de 2007, sobre o controle de populações animais, bem como sobre a prevenção e controle de zoonoses no Município de Sorocaba. Segundo a alteração, fica permitida a utilização de animais equinos para a prática das seguintes modalidades esportivas: Marcha de Muares e Cavalos, Rédeas, Três Tambores, Apartação, Laço Comprido, Hipismo, Ranch Sorting, Turismo Equestre e Equoterapia.

A causa, porém, não foi bem aceita por defensores da causa animal, por entender que este pode ser um primeiro passo para a volta dos rodeios (por ter provas em comum, como laço e tambores), e também por considerar as provas equestres uma forma de exploração animal. Os ativistas organizaram uma roda de conversa no último sábado (9), para debater o tema, e prometem estar presentes na audiência pública marcada para a próxima sexta-feira (15).

Eles também fizeram várias manifestações nas postagens do vereador, criticando seu posicionamento e acusando de incentivar a prática considerada por eles como tortura animal. O parlamentar foi defendido por alguns seguidores, mas decidiu fazer uma postagem para se defender das acusações. A íntegra você pode ler abaixo.

Em nome da Comissão de Turismo da Câmara, o vereador pediu o agendamento da audiência pública ao presidente da Câmara.

5 Comentários

  1. No mundo animal, isso inclui nós os seres humanos, todos são importantes, só não podemos esquecer, que as decisões ainda está por conta do humano. Se podemos colocar uma carga no lombo do cavalo, matar e comer a carne do boi, prender o cachorro em um quadrado do quintal igual a uma cela solitária, ter um canário na gaiola (só porque ele é documentado), e tudo isso é aceito pela sociedade, então fica aqui a dúvida. Porque Sorocaba não pode ter rodeio?
    O cristão já deve saber que está escrito que o ser humano terá o domínio sobre os animais.

    • “ter um canário na gaiola (só porque ele é documentado), e tudo isso é aceito pela sociedade”
      Mesmo tendo eu 96 anos nunca havia pensado desta forma , sempre aprendemos com sua colocação.

  2. Então ser for assim, devemos fechar as cidades de itu,barretos,jaguaruina,paulinia e muitas outras por ter atividade de rodeio ou festas agropecuarias. enquanto isto o que tem de cavalos e equa abandonados pela cidade perde a conta e cade os ativista ai??muita hiprocrisia !! temos que ter rodeio e festa agropecuaria sim sim !!Sorocaba esta perdendo dinheiro e investimentos nesta area!!

  3. Ontem eu , presente na audiência pude perceber quanto de respeito temos para o contraditório , a turma do lado de cá , uivava sem ouvir a posição da turma do lado de lá , e a turma do lado de lá latia latiam com a turma de cá.
    Incrível como pessoas que se dizem cultas , diferenciadas proporcionarem um show de baixaria.
    Não sou fã do Pastor Luís , e ele cometeu um grave erro , para que ele tivesse sucesso , deveria chamar as partes envolvidas , os cavalos certamente iriam se comportar melhor.

    • É, faltou chamar o prefeito para a discussão (mula) mas tinha outro quadrúpede na câmara para espionar o que se passava e levar tudo para a mula mestre.

      O seu mestre é o maior represente da baixaria na nossa cidade. Os demais ficam no chinelo, tanto enquanto vereador, como agora sendo o prefeito pinoquio maluquinho.

      #FORACRESPO

Comments are closed.