O servente de pedreiro, Everton Baldin, de 27 anos foi condenado a 27 anos e dois meses de prisão pela morte da escrivã da Polícia Civil Esmarlei Demétrio da Silva, de 56. O crime aconteceu em novembro de 2017, na casa onde a vítima morava, no Jardim Novo Horizonte. Ela foi morta a pauladas e facadas.

Esmarlei trabalhava no 4º Distrito Policial, localizado na Zona Oeste.

O acusado foi preso três meses após cometer o crime. Ele está recolhido no Centro de Detenção Provisória (CDP) Pinheiros, em São Paulo.

O criminoso foi indiciado por latrocínio, que é roubo seguido de morte. Ele tinha passagem policial por tráfico de drogas e havia sido preso em 2014 pelo crime.

Ao centro, Everto Baldin, de 27 anos, preso suspeito de ter matado a escrivã Esmarlei Demétrio da Silva a pauladas e facadas / Foto: Mariana Martins

O crime

Everton Baldin, trabalhou por dois dias como servente de pedreiro na casa da vítima, fazendo serviço no telhado. De acordo com a Polícia Civil, Everton, entrou na residência na noite do dia 15 de novembro forçando uma das portas na tentativa de roubar dinheiro, com conhecimento de que Esmarlei teria sacado uma quantia de cerca de R$ 800 para pagar ele e o pedreiro que faziam a reforma do imóvel.

A hipótese é que ela estava sozinha e, assim que percebeu a invasão, tenha reagido e então foi agredida até a morte com pauladas e facadas. O detido teria roubado R$ 400, um aparelho de celular e maços de cigarro.

A polícia descobriu o paradeiro do criminoso após encontrar o celular da vítima, que havia sido comprado por um jovem em um ponto de tráfico de drogas para dar à sua namorada de presente.

Questionado, o casal falou que comprou o aparelho de um rapaz magro, alto e com uma “pinta” no rosto, além de uma tatuagem na perna. Em posse da descrição do suspeito, a investigação chegou a Everton. Os mesmos o reconheceram como o vendedor.