A primeira audiência de Cristian Cravinhos a respeito de uma confusão em Sorocaba em abril deste ano no qual acabou detido por tentativa de suborno a policiais e descumprimento de regime aberto, acontecerá nesta quarta-feira (20), às 14 horas, no fórum de Sorocaba.

Cristian cumpre pena pelo assassinato do casal Richthofen, pais de Suzana Von Richthofen, assassinados em 2002. Ele foi detido em flagrante em abril, em Sorocaba, após ter sido acusado de bater em sua ex-companheira, tentar subornar policiais para não ser preso e estar em posse de munição de arma de fogo. Por conta do caso, ele foi preso e retornou à penitenciária 2 de Tremembé, onde cumpria a sentença por homicídio desde 2006 após ser condenado em júri popular.

Nesta quarta, na 2ª Vara Criminal, devem ser ouvidas testemunhas de defesa e policiais que o acusam de tentar suborná-los, porém, sem a acusação de posse de munição de arma de fogo, pois foi absolvido desta.

O caso em Sorocaba

Segundo informações da Polícia Militar, ele foi flagrado com munição intacta de arma calibre 9 mm, de uso restrito. A PM recebeu um chamado pelo 190 no qual uma mulher disse que havia sido agredida pelo ex-marido próximo a um bar na avenida General Osório e que ele estaria em posse de arma de fogo, não localizada. Ela não quis registrar queixa na delegacia.

Com descrição e informações do suspeito, os policiais reconheceram Cravinhos, que estava na rua Luiz Gama, Vila Carvalho, e estaria discutindo com uma mulher. Ao ser abordado, ele se apresentou como “um dos irmãos Cravinhos” e, com a possibilidade de novamente ser preso, teria entrado em pânico e oferecido a quantia de R$ 1 mil que estavam em sua carteira para não ser detido e, além disso, afirmou que venderia uma moto pilotada por ele e repartiria o lucro da venda com os policiais.

Cristian foi preso em flagrante pela tentativa de suborno, posse de munição de uso restrito e descumprimento de regime aberto, por não estar no município que reside (São Paulo) e fora do horário limite.

Assassinato dos Richthofen

Cristian Cravinhos é irmão do ex-namorado de Suzane, Daniel Cravinhos, e foi condenado a 38 anos e seis meses de prisão em regime fechado por participar do duplo homicídio do casal Manfred Albert von Richthofen e Marísia von Richthofen, pais de Suzane. O crime ocorreu em 2002 e chocou o país à época, principalmente pela jovem ser de uma família de classe média alta.

Cristian cumpre regime aberto desde 2017, após autorização da Justiça.