Por Vanderlei Testa

Nesta semana foi comemorado o dia dos namorados. Nas publicidades vimos muitos beijos simbolizando o amor dos casais. Perfumes como uma opção de embelezar essa data dos enamorados e agora também das enamoradas. As fragrâncias dos perfumes antes obtidas em jardins floridos, agora são conquistadas com inteligência virtual em laboratórios eletrônicos.

O mundo muda rápido e a tecnologia avança nos inventos para conquistar novos clientes. O amor, no entanto, não é artificial. O amor deve resultar na graça divina em seres humanos reais, frutos de relacionamentos de casais, como a Maria Brandão e o Paulo Renato Canineu. Eles são meus amigos de longa data, há mais de cinco décadas.

O testemunho de sua vida familiar com doze filhos em uma relação de pais amorosos e com princípios cristãos assumidos na educação e respeito humano fez com que eles colhessem os frutos na integridade de cada um de seus descendentes.

Paulo Renato Canineu nasceu em 15 de outubro de 1949. Levou o mesmo nome do pai, que me lembro na minha juventude ao vê-lo  numa agência de banco no bairro Além Ponte, como o gerente.

Paulo foi um jovem dedicado aos movimentos religiosos em Sorocaba. Fizemos juntos alguns encontros, no então prédio do Seminário diocesanona avenida dr. Eugênio Salerno. Na época dos vestibulares acabamos viajando para Campinas, onde ele prestou exame para ingressar na medicina. Foi aprovado.

Em Sorocaba, cursou a Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Casado com a Maria Brandão Canineu em um relacionamento de amor que supera qualquer livro de romance pela sua história de família, constituiu um lar com uma numerosa convivência de crianças.

Eles, os doze filhos, são um verdadeiro time de vencedores e exemplos de fraternidade em suas atividades. A vida e experiência escolar proporcionada em intercâmbios pelo mundo levou Maria e Paulo Canineu a incentivarem seus filhos a viajarem em busca de conhecimentos. Todos tiveram seus estudos em países específicos conforme as suas buscas profissionais, como Estados Unidos, Alemanha, República Checa, Noruega, África do Sul e Canadá.

Tenho na lembrança o Neto Canineu, o primeiro da turma que acompanhei a sua trajetória em escolinha de futebol e posteriormente nos Estados Unidos quando foi estudar e jogar futebol na universidade. Acabou se especializando nesse esporte e até hoje permanece como técnico na América do Norte.

A filha Paola Canineu seguiu a carreira do pai na medicina. Como ele, é geriatra formada em 2002 na PUC SP. Doutor em Gerontologia pela Universidade Estadual de Campinas em 2001 o médico Paulo Canineu é professor assistente-doutor da PUC SP e de pós-gradução.

Em homenagem ao seu pai, criou o Instituto Paulo Canineu de Memória e Envelhecimento. É fundador com sua esposa da Aldeia de Emaús, em Sorocaba, um local especial em tratamento e convivência de idosos.

Descendente de italianos e de brasileiros tem sua paixão no futebol e na vida de igreja, onde participa diariamente de missas há muitos anos. Conhecedor profundo da vida de Josémaria Escrivá de Balaguer, um santo canonizado pelo papa João Paulo II, se dedica ao Movimento da Opus Dei, uma Prelazia pessoal da Igreja Católica.

Maria e Paulo Canineu vivem o pensamento do fundador nas suas atividades: “aí, onde estão os nossos irmãos os homens, aí onde estão as nossas aspirações,  nossos trabalhos, nossos amores – aí está o lugar do nosso encontro cotidiano com Cristo”.

 

 

Vanderlei Testa é jornalista e publicitário