02/08/2017 15h18 - Atualizado em 02/08/2017 15h18 | Ipanema Online

Prefeito Crespo depõe à Comissão Processante na próxima terça-feira



O depoimento do prefeito José Crespo (DEM), à Comissão Processante foi marcado para ocorrer na próxima terça-feira (8), às 15h30. Nesta quarta-feira (2), aconteceram oito oitivas sobre o caso da desavença entre o prefeito e a vice-prefeita Jaqueline Coutinho (PTB), ocorrido no gabinete do democrata, por conta de investigação do diploma de ensino fundamental da ex-assessora Tatiane Polis.

A CP é formada pelos vereadores Fausto Peres (Podemos), Vitão do Cachorrão (PMDB) e Silvano Júnior (PV). A oitiva do democrata acontecerá de portas fechadas, sem acesso da imprensa.

Foram ouvidos nesta quarta, ao longo do dia, por ordem, dois guardas civis municipais; a vice-prefeita; o secretário de Gabinete Central, Hudson Zuliani; Rafhael Pironi, GCM que trabalha à paisana no gabinete de Crespo; Carlos Mendonça, assessor conhecido pelo episódio das coxinhas durante protesto de servidores municipais; o corregedor-geral do município, Gustavo Barata e, por fim, Taty Polis.

Foi dispensado do depoimento o diretor da faculdade Esamc, Luiz Castanho. Não compareceram à Câmara Luiz Cláudio Oliveira dos Santos, do Rio de Janeiro; o servidor da secretaria de Educação do Rio de Janeiro, Jaime G. de Moraes Filho, e o secretário estadual da referida pasta, Wagner Victer.

A vice-prefeita Jaqueline não se dirigiu à imprensa após seu depoimento e pediu para que o advogado dela, Márcio Rogério Dias, conversasse com os jornalistas. De acordo com ele, a vice reiterou tudo o que já havia dito à imprensa, à Polícia Civil e ao Ministério Público. "Quem fala a verdade, repete reiteradamente. Inclusive, ela menciona em seu depoimento que, se estiver viva daqui  há 20, 100 anos, será o mesmo depoimento. A doutora falou de forma brilhante, concisa, com o coração", afirmou Dias.

Tanto Zuliani quanto Mendonça relataram, durante depoimento à Comissão Processante, que não houve agressão durante o desentendimento entre o prefeito José Crespo  e a vice-prefeita, no dia 23 de junho. Zuliani classificou o que houve naquele dia como "desinteligência". Já Mendonça, por sua vez, afirmou ter havido uma "exaltação", mas "jamais uma agressão". Já Pironi, o guarda municipal, informou que no dia 23 de junho "ouviu uma discussão grande na sala do prefeito, mas não observou nenhuma agressão".

O corregedor-geral do município, Gustavo Barata, durante entrevista à imprensa, disse acreditar que Tatiane Polis, ex-assessora do prefeito José Crespo (DEM), tenha sido vítima da instituição que expediu seu certificado de conclusão de ensino fundamental

O corregedor também relatou que, de fato, a ex-assessora possui o certificado de nivelamento de ensino fundamental, que a habilitaria a cursar o ensino médio, porém o Rio de Janeiro, no qual ficava a instituição que ela estudou, não reconhece o documento. "O requisito do cargo que é o nível superior, isso, ela tem. A própria instituição [Esamc] já declarou que tem. Os antecedentes, pela informação do Rio de Janeiro, de fato ela não possui. Agora, se ela fez, se foi vítima, pelo o que se apresenta e informações que nós tivemos, provavelmente foi o que aconteceu", afirmou. "O grande 'X' ou não vai ser a validade do nível superior. Pelo depoimento que ouvi, em parte, pela própria imprensa, tudo nos leva a crer que ela fez aquilo, portanto, pela fala dela e das informações junto à CPI, ela deve ter sido vítima", finalizou.