Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Twitter apaga, pela 1ª vez, postagens feitas pelo presidente

Foto: PR
Postado em: 30/03/2020

Compartilhe esta notícia:

Camila Mattoso, FOLHAPRESS


Pela primeira vez, o Twitter apagou, na noite deste domingo (29), postagens feitas pelo presidente Jair Bolsonaro.


A empresa considerou que dois tuítes violavam as regras de uso da rede.


Os posts eram de vídeos do tour que o presidente fez neste domingo no Distrito Federal, contrariando seu próprio ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, que recomendou que as pessoas ficassem em casa como medida de enfrentamento ao coronavírus.


Nas filmagens, Bolsonaro cita o uso de cloroquina para o tratamento da doença e fala sobre o isolamento social.


Em um dos posts, em Taguatinga, ele conversa com trabalhadores informais, escuta críticas à quarentena, concorda com a cabeça, e diz que o medicamento está dando certo.


No outro, em Sobradinho, o presidente entra em um açougue, fala com funcionários, projeta o desemprego que o isolamento social pode causar e, de novo, cita o remédio.


Foi a primeira vez que o Twitter apagou postagens do presidente do Brasil. Antes dele, apenas tuítes do ditador da Venezuela, Nicolas Maduro, tinham sido apagados, considerando chefes de Estado.


Na semana passada, como mostrou o Painel, a empresa apagou tuítes do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), que utilizavam fora de contexto um vídeo antigo do médico Drauzio Varella sobre a crise do coronavírus.


Procurado, o Twitter enviou seu posicionamento por meio de uma nota.


"O Twitter anunciou recentemente em todo o mundo a expansão de suas regras para abranger conteúdos que forem eventualmente contra informações de saúde pública orientadas por fontes oficiais e possam colocar as pessoas em maior risco de transmitir Covid-19. O detalhamento da ampliação da nossa abordagem está disponível em nosso blog", afirmou.


A hidroxicloroquina entrou no debate da pandemia de coronavírus desde que o presidente americano Donald Trump levantou a possibilidade de o remédio ser eficaz para a Covid-19, no dia 19 de março. A fala provocou corrida às farmácias, deixou pacientes sem o medicamento e levou a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) a proibir a exportação e a venda sem receita no Brasil.


O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, tem lidado com o assunto com cautela. "Continuamos com indícios [de eficácia contra o novo coronavírus]. Foram poucos pacientes, não sabemos se o medicamento foi decisivo ou não."


Ele também pediu para as pessoas não usarem o medicamento. "Esse medicamento tem efeitos colaterais intensos e não devem ficar na casa para serem tomados sem orientação médica. Vão fazer uma série de lesões [se automedicando]. Leiam a bula, não é uma Dipirona."


Ao mesmo tempo, o Ministério da Saúde anunciou que vai começar a distribuir 3,4 milhões de unidades de cloroquina e hidroxicloroquina aos estados para uso em pacientes com quadro grave pelo novo coronavírus em um protocolo experimental.


Nesta quinta (26), o governo federal zerou as tarifas de importação da cloroquina e da hidroxicloroquina, originalmente usados por pacientes com malária, lúpus e artrite.


Em relação aos tuítes com vídeo antigo de Drauzio Varella, a gravação havia sido feita em janeiro e tecia comentários sobre aquele momento da crise, quando ainda não existiam casos de contaminação de coronavírus no Brasil.


No vídeo de janeiro, o médico dizia que estava levando a vida normalmente e que não havia motivo para pânico.


No entanto, Flávio Bolsonaro e Salles compartilharam o vídeo nos últimos dias, sem contexto, levando seus seguidores a acreditarem que Varella estava comentando a situação atual da crise no país.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Isolamento social no Brasil reduziu transmissão do coronavírus pela metade, diz estudo

Gastos com energia e água podem aumentar durante quarentena

Candidaturas em SP avaliam peso de Moro e buscam apoio de ex-juiz

Polícia investiga divulgação de vídeo com notícia falsa de caixões vazios em MG

Jaqueline Coutinho se afasta por 10 dias e transmite cargo ao vereador Fernando Dini

Brasileiros se queixam de distúrbios do sono e da alimentação durante pandemia, diz pesquisa