Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Bolsa cai 1% após Bolsonaro dizer que está com coronavírus

Foto: reprodução
Postado em: 08/07/2020

Compartilhe esta notícia:

Júlia Moura, FOLHAPRESS


Depois de quatro sessões seguidas de ganhos, a Bolsa brasileira fechou em queda de 1,19%, a 97.761 pontos nesta terça-feira (7). O Ibovespa operou em leve queda durante toda a manhã, mas aprofundou perdas depois que o presidente Jair Bolsonaro afirmou ter testado positivo para o coronavírus, por volta de 12h15. Na mínima, às 13h40, a Bolsa chegou a cair 1,7%.


O dólar que chegou a cair 1% pela manhã, inverteu o sinal e fechou em alta de 0,630%, a R$ 5,3860. Dentre emergentes, o real foi a quarta moeda que mais se desvalorizou na sessão. O turismo está a R$ 5,67.


"O mercado se preocupa com a possível perda do líder eleito. E não foi só o Bolsonaro que foi eleito, foi o Paulo Guedes também", diz Jorge Junqueira, sócio da Gaus Capital.


O ministro da Economia esteve com o presidente nos últimos dias.


"Não vejo nenhuma mudança estrutural com o presidente contaminado. Hoje foi mais uma realização de lucros na Bolsa. Mesmo que o Guedes pegue, não é motivo para o mercado entrar em pânico", diz Ilan Arbetman, da Ativa Investimentos.


Segundo analistas, a queda da Bolsa também foi um reflexo das críticas do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), aos juros do cartão de crédito e cheque especial.


Em transmissão ao vivo da Genial Investimentos na manhã desta terça, Maia disse ser contra o tabelamento de taxas de juros nesses produtos, mas defendeu que eles passem por uma reformatação.


Ele referiu-se ao cheque especial como uma "extorsão" ao cidadão e defendeu o seu fim, com a criação de um produto substituto.


As ações dos bancos tiveram forte queda após a declaração. Os papéis do Itaú recuaram 4,9%, a R$ 26,37. As ações preferenciais do Bradesco cederam 4,15%, a R$ 21,71. As ordinárias, 4%, a R$ 19,88. O Santander recuou 4,35%, a R$ 28,53, e o Banco do Brasil, 4%, a R$ 33,28. Maia também disse que a privatização dos bancos públicos não é uma agenda do Palácio do Planalto.


O presidente da Câmara informou ainda que fará um exame de sangue, já que esteve com Bolsonaro há seis dias.


Maia minimizou o impacto político da doença de Bolsonaro, e disse acreditar que ele continuará suas atividades à distância.


Ainda pesou para a aversão a risco no Brasil o viés negativo do exterior. A Comissão Europeia projeta uma recessão mais profunda do que anteriormente esperado para a zona do euro neste ano e uma recuperação mais fraca em 2021.


A nova expectativa divulgada nesta terça é que o bloco de 19 países terá contração recorde de 8,7% este ano antes de crescer 6,1% em 2021. No início de maio, a Comissão havia projetado recuo de 7,7% em 2020 e crescimento de 6,3% em 2021.


A Comissão disse que revisou suas projeções porque a suspensão das medidas de contenção da Covid-19 nos países da zona do euro está acontecendo com menos rapidez do que se previa inicialmente.


Para França, Itália e Espanha, é esperado contração de mais de 10% este ano para cada um deles.


Para a Alemanha, maior economia da zona do euro, a estimativa foi reduzida de queda de 6,5% para 6,3%.


Além da piora na maior parte das projeções, investidores repercutiram um dado pior que o esperado na Alemanha. A produção industrial do país cresceu 7,8% em maio, contra uma expectativa de 11% do mercado.


O índice europeu Stoxx 600, que reúne 600 companhias da região, caiu 0,6%. Nos Estados Unidos, onde os casos de coronavírus seguem aumentando, S&P 500 caiu 1,08%, Dow Jones, 1,51% e Nasdaq, 0,86%.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Professor de artes marciais acusado de estuprar alunos na região é preso na capital do Maranhão

"Senti um calafrio surreal", diz Preta Gil que confirmou estar com coronavírus

Manga quer que assessora de Brasília preste esclarecimentos a vereadores

Taurus critica decisão de Bolsonaro de zerar imposto de importação de armas

Guarda Municipal detém dois homens por tráfico de drogas no Habiteto

Instalação de registro interrompe abastecimento de água em 12 bairros de Sorocaba