Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Aulas de Educação Moral voltam em nova roupagem a Sorocaba

Postado em: 03/10/2018

Compartilhe esta notícia:

O DEDA QUESTÃO

As crianças matriculadas na rede municipal de Sorocaba, no Ensino Fundamental 2 (antigo ginásio de 5ª a 8ª série, e quem tem entre 10 e 14 anos), voltarão a ter aulas na disciplina de Educação Moral e Cívica em 2019.

A matéria extracurricular será obrigatória, terá duração de uma hora por semana, vai se chamar Ética, Solidariedade e Cidadania e “visa reforçar esses três valores em apoio às disciplinas didáticas que já integram a grade curricular dos estudantes”, na visão do prefeito Crespo, que anunciou a medida como grande avanço no ensino público e, frisou, o que julgo importante, tratar do cumprimento de uma de suas promessas de campanha, ou seja, não é nada que ele inventou depois de eleito, mas que informou ao sorocabano que, se ganhando, iria fazer isso.

E fez. O resumo da nova roupagem da antiga aula de Educação Moral e Cívica é o “resgate à importância da família”.

Para essa nova aula, o prefeito Crespo formalizou parceria entre a Prefeitura e o Educae Sul Paulista e Federação de Amor-Exigente, que são ONGs (Organização Não-Governamental) por valores não divulgados.

Essa decisão do prefeito Crespo atende aos interesses do movimento dos chamados grupos de Direita, que estão dando a maioria dos votos a Jair Bolsonaro nas pesquisas que antecedem a eleição de domingo que vem, que vêem ameaça na concepção de educação construída ao longo das últimas décadas. Para agradar integralmente a esse movimento ideológico de direita, só falta agora o prefeito incorporar o projeto Escola Sem Partido que, via lei municipal, o vereador Pastor Luís Santos articula na Câmara Municipal.

Eu assisti aulas de Educação Moral e Cívica nos anos 70 e vejo uma intencionalidade específica em se recriar esta disciplina em sua nova roupagem de Ética, Solidariedade e Cidadania: a de tentar estabelecer algum controle sobre temas que invadiram a sociedade brasileira nos últimos anos como questões LGBT, discriminações de gênero sexual e racial e os heróis da pátria.

Não será de se estranhar se o conteúdo das telenovelas, para ficar num único exemplo, venha a ser impedido de tratar temas como esse num futuro governo Bolsonaro. Os temas, que nomes à disciplina, necessariamente já são tratados nas disciplinas básicas do Ensino Fundamental. Não é imaginável, por exemplo, que em Literatura esses temas não surjam.

Assim como é esperado que surjam, até mesmo, no ensino de Matemática. Enfim, essa onda de Ordem, independentemente do resultado da eleição, está sobre o Brasil.

Brasil, ame-o ou deixe-o

O Decreto Lei 869 do ano de 1968 tornou obrigatória no currículo escolar brasileiro a partir de 1969, as aulas de Educação Moral e Cívica juntamente com a disciplina de Organização Social e Política Brasileira.

Ambas foram adotadas em substituição às matérias de Filosofia e Sociologia e ficaram caracterizadas pela transmissão da ideologia do regime autoritário ao exaltar o nacionalismo e o civismo dos alunos e privilegiar o ensino de informações factuais em detrimento da reflexão e da análise.

O contexto da época incluía a decretação do AI5, desde 1968, e o início dos “anos de chumbo” – a fase mais repressiva do regime militar cujo “slogan” mais conhecido era “Brasil, ame-o ou deixe-o”.

Pensando no futuro

O prefeito Crespo destacou a importância do projeto para o futuro das crianças. “A partir de 2019 teremos uma hora por semana de estudo focado nos valores fundamentais à vida, que são ética, cidadania e solidariedade, imprescindíveis para formação dos cidadãos”, disse o prefeito.

Para o secretário de Educação, André J. Gomes, tratar sobre valores como ética, solidariedade e cidadania nas escolas requer certa dose de urgência. “Abordar estes temas, em parceria com a Federação Amor-Exigente, é, além de necessário, um ato de coragem e de amor prático e construtivo, que trará benefícios diretos e indiretos às comunidades escolares”, salienta.

O secretário de Comunicação, Eloy de Oliveira, ressaltou a atenção e interesse do governo para esses temas. “A preocupação do prefeito com estes valores, principalmente a cidadania, já preocupava o prefeito antes mesmo da eleição e são ponto-chave desta gestão”, afirma o secretário.

Valores da vida

O coordenador do grupo de prevenção Educae Sul Paulista, Ariovaldo Tezoli, explicou que o projeto contribui na fomentação do amor entre os estudantes. “É necessário adotar como hábito o abraço fraternal, a receptividade, o carinho entre as pessoas. Nós temos mais de 12 mil voluntários – incluindo países como Uruguai, Paraguai e recentemente a Itália – fazendo parte deste baluarte dos valores à vida”, reforça.

Ariovaldo Tezoli, que é advogado, já presidiu o Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente Sorocaba e hoje se dedica a ONG Amor Exigente – Grupo de apoio a dependentes químicos e sua família – e, âmbito nacional e até internacional.

A reunião contou também com a presença da secretária de Assuntos Jurídicos e Patrimoniais, Ana Lúcia Sabadin, e da Ouvidora Geral do Município, Liliana de Jesus, e parte da equipe gestora da Secretaria da Educação.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Jaqueline se diz vítima de uma perseguição política e não usou bem público para fins particulares

Avanço da crise com PSL faz Bolsonaro recorrer a aliados da "velha política"

Câmara de Sorocaba vota projeto para legalização de construções irregulares

Narrativa de “Chernobyl” mostra que melhor ficção não chega aos pés do horror da realidade

Saae recebeu 264 comunicados de desperdício de água e visitou 232 casas

Projeto `Sema vai à sua Casa´ tem edição especial para celebrar o Dia Mundial do Meio Ambiente em Sorocaba