A Prefeitura de Votorantim, por meio do Centro de Controle de Zoonoses, da Secretaria da Saúde (Sesa), iniciou nesta segunda-feira (27) uma ação de orientação com medidas para combater a leishmaniose visceral. Até o momento o município registra 12 casos da doença em cães e um novo inquérito com coletas de sangue deve ser realizado entre os meses de outubro e novembro.

Conforme ressalta a coordenadora da Zoonoses, Katia Regina de Oliveira, os agentes estarão percorrendo as unidades de saúde e demais espaços públicos com grande circulação de pessoas para orientar a população. “Ao abordar o munícipe, o agente passa as orientações e um folheto informativo contendo medidas preventivas”, explica. Nesta segunda-feira, entre os locais percorridos pelos agentes estava o Paço Municipal.

Durante as ações, a equipe da Zoonoses, devidamente identificada com crachá, orienta principalmente os proprietários de cães sobre a doença, além das formas de prevenção à leishmaniose, como a utilização da coleira repelente do inseto.

Além disso, a Zoonoses realiza um trabalho de orientação e fiscalização de terrenos baldios, inclusive multando os proprietários que não limpam os imóveis, já que o mosquito se reproduz em matéria orgânica em decomposição, como montes de folhas, restos de grama e de poda de árvores deixados em lugares úmidos e sombreados.

Transmissão

A leishmaniose visceral é uma doença causada por um parasito denominado Leishmania chagasi e transmitida pelo mosquito palha. O cão doméstico é a principal fonte de infecção, podendo ficar anos sem apresentar os sintomas clínicos. A fêmea do mosquito palha se infecta ao picar um cão contaminado e passa a transmiti-lo para outros cães e humanos nas próximas picadas.

Os sintomas nos cães são emagrecimento, vômitos, fraqueza, queda de pelos, crescimento das unhas, feridas no focinho, orelha e patas. Já em humanos são febre prolongada, emagrecimento, crescimento do baço, fraqueza e em casos graves até sangramentos.