Nesta segunda-feira (14), é a vez do bairro Wanel Ville V receber a força-tarefa em combate aos escorpiões. De acordo com a Divisão de Zoonoses da Secretaria da Saúde (SES), os locais estão sendo escolhidos de acordo com o maior número de relatos de aparecimento de escorpiões em parceria com a Central de Atendimento da Ouvidoria Geral do Município. Nesta sexta-feira (11), as ações se encerram no bairro Wanel Ville IV. A força-tarefa foi determinada pelo prefeito José Crespo e teve início no dia 14 de dezembro de 2018 com o objetivo de evitar o risco de acidentes com o aracnídeo e promover orientação à população.

Para que as ações sejam completas, a Secretaria da Saúde (SES), por meio da Divisão de Zoonoses, conta com o apoio das secretarias de Conservação, Serviços Públicos e Obras (Serpo) na retirada de entulhos em área pública, Meio Ambiente, Parques e Jardins (Sema) para roçagem de mato alto, e Comunicação e Eventos (Secom) para divulgação de orientações na imprensa e redes sociais. Além do Saae (Serviço Autônomo de Água e Esgoto) para limpeza de bocas de lobos.

As ações da Divisão de Zoonoses na prevenção e controle de escorpiões ocorrem por meio de solicitações recebidas pela Central de Atendimento e por encaminhamento de casos de picadas de escorpião por parte da Vigilância Epidemiológica, em cumprimento ao Manual de Controle de Escorpiões do Ministério da Saúde.

É necessário controlar a população de escorpiões pelo risco de acidentes, uma vez que a erradicação destas espécies não é possível e nem viável, de acordo com o Ministério da Saúde. Algumas espécies estão bem-adaptadas aos ambientes alterados pelo homem e possuem alta capacidade de infestação e proliferação, por isso, medidas devem ser adotadas para evitar a sua proliferação.

O trabalho da Zoonoses consiste em identificar as espécies de escorpião prevalentes no município, conscientizar a população sobre formas de prevenir acidentes e como evitar a proliferação destes animais.

“Durante a vistoria, os agentes buscam exemplares de escorpiões para coleta, identificam ambientes e situações propícias à presença e proliferação destes animais. As equipes também conscientizam a população sobre as formas de se evitar a presença e proliferação dos escorpiões, e orientam os cidadãos a evitar acidentes”, explica a veterinária e chefe da Divisão da Zoonoses, Thais Buti.

Moradores com irregularidades nos seus imóveis são notificados a se adequarem para evitar a proliferação de animais sinantrópicos e peçonhentos. Caso não cumpram as notificações, podem ser autuados.

A Divisão de Zoonoses não aplica veneno contra escorpiões, em atenção às diretrizes do Ministério da Saúde. O hábito do escorpião de se abrigar em frestas de parede, embaixo de materiais, em fendas e rachaduras, aliado a sua capacidade de permanecer meses sem se movimentar, torna o tratamento químico ineficaz. Inclusive, ele possui a capacidade de permanecer com seus estigmas pulmonares fechados por um longo período, assim ele se esconde para não ter contato com o veneno.

A aplicação de produtos químicos e venenos não são indicados por causarem desalojamento dos escorpiões para locais não expostos à ação desses produtos, aumentando o risco de acidentes.

Em caso de acidente, a vítima deve procurar imediatamente uma unidade de saúde. Ele somente será encaminhado ao Conjunto Hospitalar de Sorocaba (CHS) após a avaliação do médico, caso seja necessária aplicação do soro antiescorpiônico.

1 Comentário

Deixe um Comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here