O fim da Padaria Sabina é a crônica de uma morte anunciada na Santa Rosália

Por Djalma Luiz Benette

Estava no ar com a coluna O Deda Questão na manhã de hoje no Jornal da Ipanema (FM 91.1Mhz) quando se confirmou a desastrosa decisão de Carlos Eduardo Martin Ciarella, o filho mais velho do saudoso seu Orlando e da dona Sabina, de demitir os 120 funcionários da sua padaria com um aviso na porta, pedindo que eles se dirijam na próxima sexta-feira, dia 5, às 15h, num salão de eventos munidos da Carteira de Trabalho.

Supõe-se que terão o acerto das contas exigidas por lei. Mas não é certeza uma vez que ações judiciais, penhoras e leilões pelo qual a padaria vem sendo alvo nos últimos cinco anos faz-se supor que não exista dinheiro para honrar o que devem aos trabalhadores, ou seja, o que é direito de cada um previsto na legislação.

O fim da Padaria Sabina me faz lembrar do livro “Crônica de uma morte anunciada”, escrito pelo prêmio Nobel de Literatura Gabriel García Márquez, publicado em 1981, e que conta o último dia de vida de Santiago Nasar. Não tenho a pretensão de fazer a reconstrução da Padaria Sabina, e muito menos de imitar Gabo (apelido de infância do escritor colombiano). Mas, em seu livro-crônica, ele reconstrói jornalisticamente o último dia de vida de Santiago Nasar, assassinado sem chance de defesa, através da superposição das versões de testemunhas que estiveram próximas ao protagonista. A morte de Santiago foi premeditada (daí o título do livro), assim como o fechamento da Padaria Sabina vem sendo, pelo acúmulo de dívidas e execuções judiciais há cinco anos pelo menos.

Gabo critica a cultura colombina (onde está a essência das suas histórias e personagens) que permite ao autor de um assassinato premeditado uma pena irrisória.

Por similaridade, o fechamento da Padaria Sabina, com um cartaz na porta pegando os 120 funcionários de surpresa, tem o mesmo teor do que é criticado por Gabriel Garcia Márquez, ou seja, assim como foi premeditada a morte de Santiago no livro, o encerramento da padaria Sabina, da forma como foi, também foi premeditada uma vez que os funcionários trabalharam normalmente até a véspera de Ano Novo. Por isso pergunto: que penalidade terá Carlos Eduardo por fazer o que fez? Ele já-já vai abrir uma nova padaria, com novo nome, em novo endereço.

O início – sucesso

Fundada em outubro de 1986 pela família Ciarella, sendo patronos o casal Orlando Martin Ciarella, e Maria Sabina Galheira Martin, e os filhos Carlos Eduardo e Fernanda, a padaria tornou-se em pouco tempo referência e exemplo de confeitaria inovadora, graças à visão de futuro e dedicação da família.

A loja ficou pequena para atender ao crescente público e comportar tanta variedade de produtos, surgindo então a nova sede em 1996, situada na Av. Pereira da Silva 1400, Santa Rosália Sorocaba, onde esteve até o fechamento da manhã de hoje.

A Padaria Sabina sempre estampou o orgulho de ter iniciado a mudança de conceito de padaria em Sorocaba sendo um local em que famílias iam até lá para um brunch, café da manhã, almoço, happy hour e até a sopinha da noite. Um leque de serviços que levou ao Sabina Gourmet, restaurante que atendia desde o almoço até recepções fechadas como casamentos, batizados, chás de bebês e cozinha, eventos de empresariais, como treinamentos e confraternizações, aniversários, etc…

Nos enche de alegria ao ter a certeza do trabalho reconhecido, quando nossos clientes sentem vontade de “comer uma coisa diferente” e é a nós que eles lembram e procuram, estampou em seu site os donos da padaria.

O meio – dívidas

Da padaria no bairro de Santa Rosália, a família decidiu expandir em meados de 2012 e abriu a Sabina Wanel Ville num prédio de arquitetura tão imponente quanto ao endereço onde ficou até o fechamento de hoje. Seo Orlando já havia falecido, mas a empreitada foi levada adiante pelo filho, que assumiu o controle da empresa. Carlos Eduardo, a essa altura, já enfrentava problemas para honrar pagamentos e se viu nas mãos de bancos o que levou a uma bola de neve crescente.

Em 19 de abril de 2017, apenas para dar um exemplo, foi a leilão da Justiça Federal num processo por Execução de Titulo Extrajudicial (nº 0007293-82.2012.4.03.6110), movido pela Caixa Econômica Federal contra a Panificadora Sabina Ltda, 1 Forno elétrico Universo modelo Etna VE 9/3, avaliado em R$ 25.000,00; 1 Forno elétrico Universo modelo Etna VE 6/3, avaliado em R$ 18.000,00; 1 Massaira Ferri com capacidade para 50 kg de farinha, avaliado em R$ 15.000,00; 100 Cadeiras importadas em madeira e couro, avaliado em R$ 400,00 cada, totalizando R$ 40.000,00. No 1º leilão o lance mínimo foi de R$ 98 mil e no 2º o lance mínimo de R$ 49 mil.

São dezenas de ações, execuções e leilões dessa natureza contra a Padaria Sabina, ou seja, uma morte anunciada.

O Fim – desrespeito

Diante da história da padaria, mais especificamente da dona Sabina, pessoa de tamanha generosidade e simpatia e que emprestou o seu nome ao empreendimento, o que menos se imaginava era a demissão de 120 chefes de família por um cartaz. Mais que isso, a incerteza de que eles vão receber o que a lei garante a eles, ao menos na teoria.

O padeiro Luís Roberto Pelle, que trabalhava na unidade há 20 anos e chegou ao local às 3h10 da madrugada deste primeiro dia útil de 2018, para um novo dia de trabalho, foi chocante ser dispensado por um cartaz: “Eu sabia que alguma coisa ia acontecer, a gente estava vendo que a padaria estava ruim das pernas, não pagava ninguém, mas não pensava que eles iam fazer isso com a gente, que pelo menos tinham consideração com a gente. Eu trabalhei Natal, Ano Novo, ralei pra caramba aqui e não recebi vale e nem salário. Comecei com eles na outra empresa, o que aconteceu hoje foi uma falta de respeito”.

A operadora de caixa Elisabete de Fátima Silva passou mal ao se deparar com a sua condição ao ver aquele cartaz. Que sentimento de ser tratada como uma coisa ao ver diante de si própria um tratamento como o dado pela direção da padaria!

A supervisora Maria Aparecida Medeiros, que trabalhava na padaria há 11 anos, conta que o descaso começou quando a empresa deixou de pagar o vale e a participação nos lucros referente a 2016: “ gente merecia que fosse feita uma reunião com os funcionários mais velhos de casa para dizer o que estava acontecendo realmente com a empresa. Não chegar hoje aqui e ser pego de surpresa. Foi uma grande traição da parte dos diretores da empresa”.

19 Comentários

  1. Meu Deus, que pecado ! Durante todos os anos que frequentei a Padaria Sabina sempre fui atendido com extema gentileza e simpatia por absolutamente todos os funcionários. Sem mencionar que também tudo que consumi lá e no restaurante sempre tinha uma qualidade indiscutível, demonstrando que os que trabalhavam “nos bastidores” também o faziam com extrema dedicação e competência. Um verdadeiro choque essa notícia… presto minha solidariedade a todos esses excelentes profissionais e estarei orando para que tudo se resolva da melhor forma possível a todas essas pessoas honradas e competentes. Muita tristeza.

  2. Muito Triste. Chega a ser um símbolo do Bairro, com um bom atendimento e ótimos produtos. Era meu destino certo de quase tudo dia. A Dona Sabina é uma pessoa pra cima e risonha, tipo aquela tia Italiana. O movimento era enorme! Se por um lado este país não ajuda quem realmente produz, com impostos e taxas exorbitantes, por outro lado, faltou respeito com os funcionários pelo modo que tudo procedeu. O fechamento talvez fosse inevitável, mas poder-se-ia respeitar os funcionários como seres humanos que são.

  3. Para que expor essa família dessa maneira como você o fez? Falando do que foi para leilão e do que não foi?
    Isso vem acontecendo com grande maioriados empresários brasileiros que arrastam por teimosia e garra este País!
    Consequencia de toda essa merda implantado no Brasil!
    Você deveria falar da história de dias e dias de dedicação, horas trabalhadas, problemas resolvidos, famílias sustentadas por está empresa!
    Se você fez isso para gerar notícia fosse pelo outro lado pois este seu só depõe o seu profissionalismo.
    Falar mal, julgar é fácil.
    Agora fazer o que eles fizeram em anos de dedicação ninguém!

  4. Eu nao conheço essa padaria e nem a familia que tanto se dedicou a esse negocio como vcs falam, mas isso me parece apenas mais um dos inumeros casos de empresas falindo por conta deste governo que esta ai. Nao entendo porque atirar pedras nesse empresario. Existem
    Empresas com mais de 3.000 funcionarios que demitem por carta. Se preocupe em votar certo e nao com a padaria Sabina e seus funcionarios. Se vc votar certo vai estar ajudando a todos eles.

    • Oque eu penso é o seguinte.
      Por mais de 30 anos muitas e muitas famílias tiraram seu sustento por conta da coragem desses empreendedores, que suaram a camisa, tendo que enfrentar todos esses anos, esse governo maldito, que suga tudo oque pode.
      Agora vamos fazer uma analogia….
      O povo brasileiro reclama de tudo, mas não faz sua parte ( pelo menos a maioria não faz).
      Jogam lixo na rua, nos terrenos, etc… Qdo acontece as enchentes, de quem é a culpa ?
      Culpam o prefeito, blá blá blá. Mas o lixo que jogam, ( na cabeça deles), não tem nada a ver com a enchente. Pois bem.
      Muitos e muitos funcionários (sabotam ) os patrões de várias formas. Comem uma coisinha aqui… levam p casa outra coisinha ali… não apagam a luz qdo saem do recinto… não tomam cuidado com desperdício de materiais… etc.. Mas … não faltam, não atrasam ( na cabeça deles ) eles “vestem a camisa”.
      Tudo isso, dia após dia, ano após ano…( junto com o governo maldito) Com ctz tem um bom peso para que muitas empresas quebrem.
      Nessa história específica, penso que a demissão poderia ser de outra maneira, mas com toda a certeza, a família Sabina está muito, mas muito mais ” ferrada” doque qualquer família de qualquer funcionário demitido.
      E que comece o mimimi. Blablabla

    • A falência da Sabina nada tem a ver com governo. Vem de longa data, dívidas contraídas para expansão da empresa, construção de um restaurante, abertura de Filial e deixou de pagar os bancos há anos.
      Uns dois anos atrás comentaram que emprestaram para comprar farinha para os pães.
      Erro na administração familiar.
      Era uma ótima padaria, mas nada justifica o que fizeram com os funcionários.

  5. Absolutamente nada justifica tratar 120 funcionários da forma como foram tratados. Demissão por cartaz? Isso é vergonhoso e mostra bem a consideração que os tais proprietários têm a respeito dos seus “parceiros” de trabalho!!! Nem Temer, nem PT nem crise alguma justifica uma atitude dessas!

  6. Sr.Orlando Martin Ciarella faleceu quando? que eu saiba ele está vivo , acamado por um AVC que sofreu alguns anos atrás…….
    Porque será que todos os jornais de nossa cidade tão tanta “ênfase” para as famílias tradicionais e com grana nessa cidade., deveriam dar destaque a outra informações importante aos sorocabanos. Como emprego, saúde e educação.
    Parem de jogar tinta e papel fora falando de tititi….
    Ajudem nossa cidade crescer!

  7. Sr.Orlando Martin Ciarella faleceu quando? que eu saiba ele está vivo , acamado por um AVC que sofreu alguns anos atrás…….
    Porque será que todos os jornais de nossa cidade tão tanta “ênfase” para as famílias tradicionais e com grana nessa cidade., deveriam dar destaque a outra informações importante aos sorocabanos. Como emprego, saúde e educação.
    Parem de jogar tinta e papel fora falando de tititi….
    Ajudem nossa cidade crescer!

  8. Eu sei da situação da Dona Sabina que está com o marido com problemas de saúde e o falecimento dele mas segundo informacoes a PADARIA SABINA ESTAVA SENDO ADMINISTRADA PELOS FILHOS DO CASAL e eles usaram de um recurso como esse que foi usado para comunicar os empregados sendo uma época em que muitos tem Telefones, Smartphone, Email, Whatsapp foi de uma deselegância tremenda e não condiz com os princípios da Dona Sabina e seu Esposo mas como a padaria estava sendo administrada pelos filho esperava que ao menos fizessem isso com um pouco mais de Decência e Profissionalismo e não tratar os funcionários como cachorros sem dono!!!
    Essa atitude de dispensar os funcionários por um comunicado na porta foi um ato de deselegancia e mostrou como eles deviam ser dentro da padaria ou seja agiram como FEITORES DE ESCRAVOS!!!

  9. Nada justifica o que foi feito , com essas pessoas , mais infelizmente acontece com frequência , a grande verdade é que são poucos os patrões que tem a chamada consideração com os colaboradores , algumas pessoas quando tem um certo tempo de casa até dificultam a adaptação de quem está chegando na empresa , porque acham que devem defender o lado do patrão , se acham o próprio patrão às vezes , que isso sirva de lição pra muitos , que prejudicam os colegas de trabalho em nome de uma ” amizade ” com o patrão que só existe na mente deles , fúncuonários mais velhos de casa .

  10. Acho tudo isso uma grande sacanagem! Que Deus ajude esses 120 funcionários.. Desvio de verba???? E a padaria que abriram no Campolim???? E o restaurante Sta Vitoria???? Sendo que a padaria do lado Condomínio Sunset esta indo muito bem, sem contar o Restaurante Sta Vitoria??
    Vergonhoso!!!

  11. Prezado jornalista você deveria envergonhar se de escrever uma matéria tão maldosa e sem escrúpulos. Você já pensou em se colocar no lugar desta família e sentir o quanto a dona Sabina e seus filhos estão sofrendo com essa perda. E, por consideração e gratidão pelos seus colaboradores eles não tiveram coragem de encara-los. Pois, tinham certeza do sofrimento que o fechamento da empresa causaria a todos. Você, como a maior parte das pessoas só sabe criticar e apedrejar. Aprenda a ser humilde e colocar se na posição do outro antes de jogar pedras. Quanto aos coloboradores deixo um abraço e que Deus abençoe a todos vocês e seus familiares.

    • Sol, como cliente da padaria eu concordo com o que o jornalista Déda escreveu pois vc só está vendo a parte que cabe a dona e a falta de respeito maior foi com os funcionários. Pois eles não tiveram a dignidade de avisa-Los antes.

  12. O ATENDIMENTO DA PADARIA SABINA SEMPRE FOI PÉEEEESSIMO !!!! UMA VERGONHA !!!
    TRATAVAM MUITO MAL O CONSUMJDOR.
    FAZIAM DE CONTA QUE NÃO ESTAVAM ESCUTANDO O PEDIDO DO CLIENTE.
    COMPORTAVAM-SE COMO SE ESTIVESSEM FAZENDO FAVOR ; ALIÁS UM COMPORTAMENTO MUITO COMUM NAS INSTITUIÇÕES EM SOROCABA. TALVEZ PELA FALTA DE CONCORRÊNCIA.
    ENTREM NOS COMENTÁRIOS DA INTERNET E VEJAM AS DENÚNCIAS SOBRE O MAU ATENDIMENTO DESSE LUGARZINHO.
    JÁ HOUVE DISCUSSÕES FEIAS NAQUELE BALCÃO PARA O CLIENTE PODER SER ATENDIDO.
    DUROU ATÉ TEMPO DEMAIS, TENDO EM VISTA A FALTA DE RESPEITO QUE TINHAM COM O CONSUMIDOR.
    EM SÃO PAULO OS MORADORES JÁ TERIAM FECHADO UM LUGAR DESSES HÁ MUITO TEMPO, NÃO DURARIA 20 ANOS.
    A RELAÇÃO JURÍDICA PRESTADOR DE SERVIÇO/ CONSUMIDOR NÃO ERA RESPEITADA NAQUELA PADARIA.

  13. A culpa não se passa da falta de preparo que os filhos teve para manter o negócio o do qual já vinha se arrastando , não foi nada justo nada correto … mas também pegar uma grande negócio afundado em dívidas no cenário de hoje , contar com sorte seria a única opção da família , é triste e ainda assim desumano o modo do aviso , mas talvez o medo da reação das pessoas também deva se levar em consideração, cabeça quente e mútuo de pessoas não geram aceitação sem brigas e ofensas!

Deixe um Comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here