O primeiro trailer de “Coringa” e as outras versões do personagem no cinema

Divulgação

Erick Rodrigues

A Warner divulgou, nesta quarta-feira (3), o primeiro trailer de “Coringa”, agora com o rosto de Joaquin Phoenix nas telonas. O longa, que tem estreia marcada para 4 de outubro, é dirigido por Todd Phillips e produzido por Martin Scorsese, cuja carreira cinematográfica é claramente homenageada nas primeiras imagens do filme do vilão.

Poucos detalhes ainda foram divulgados sobre a trama de “Coringa”, mas o trailer já deixou claro que o tom do filme pode ser mais sombrio, ainda que pareça que o personagem vai passar por um processo de humanização. Os produtores também já confirmaram que o longa vai trazer uma narrativa descolada do universo cinematográfico da DC Comics, ainda não tão sólido como aquele formado pelas produções da Marvel.

Joaquin Phoenix é o quarto ator a viver o Coringa no cinema e, por enquanto, não é possível qualquer análise de desempenho, uma vez que o material disponível até aqui são apenas fotos e o trailer. Mesmo assim, o lançamento das primeiras imagens me estimulou a relembrar os outros atores que viveram o vilão nas telonas e elencá-los do melhor ao pior. Para esse ranking, resolvi não considerar as versões animadas e das séries, ficando restrito à sétima arte. Então, vamos a eles, não sem antes deixar as primeiras referências do trabalho de Phoenix:

CORINGAS DO CINEMA – DO MELHOR AO PIOR

Divulgação

1) Heath Ledger – “O Cavaleiro das Trevas” (2008)

Os elogios à intensidade de Heath Ledger no filme de Christopher Nolan são praticamente unânimes. O ator fez um trabalho de imersão no universo do personagem e conseguiu transmitir a loucura do Coringa, sem cair na armadilha de imitar outras referências ou se deixar levar por estereótipos mais rasos. “O Cavaleiro das Trevas” mostrou um vilão que valorizava a anarquia, proporcionada exclusivamente pelo insano prazer do caos. A entrega de Ledger rouba o filme, que ganha força com o olhar realista de Nolan sobre a história e a escolha do diretor por usar efeitos práticos nas principais cenas de ação. A morte precoce do ator interrompeu a possibilidade de vermos o rosto dele outras vezes no personagem, mas ele foi reconhecido com um Oscar póstumo de melhor ator coadjuvante pelo papel.

Divulgação

2) Jack Nicholson – “Batman” (1989)

Na versão de Tim Burton para o Homem-Morcego, Jack Nicholson foi o escolhido para viver o principal rival do Batman. Pode-se dizer que, entre as interpretações do personagem nas telonas, essa é a mais lúdica e próxima de um certo humor. No visual do vilão, as cores e referências circenses se destacavam mais. Em “Batman”, também havia uma intenção de buscar a humanidade do personagem, vista na transformação do homem em um palhaço do crime. Também ficou claro o desejo de não pesar demais a mão na construção do personagem, mesclando uma abordagem mais séria com um tom que lembra um desenho animado ou, até mesmo, a clássica série dos anos 60. O resultado, por mais que divida opiniões, funciona no filme e, inclusive, serviu declaradamente de referência para os que vieram depois.

Divulgação

3) Jared Leto – “Esquadrão Suicida” (2016)

Por mais que tenha buscado mergulhar à fundo na personalidade do vilão, o Coringa de Jared Leto é, sem sombra de dúvidas, o pior feito no cinema. O ator apresentou, em “Esquadrão Suicida”, uma versão “ostentação” do vilão, que apareceu repleto de tatuagens, dentes metalizados e dirigindo carros de luxo. O Coringa “rei do camarote” até tenta parecer sádico e insano, mas beira à caricatura e não consegue impressionar. Além disso, o roteiro de “Esquadrão Suicida” valoriza pouco a presença do personagem, o que impede uma participação mais relevante do ator. O visual do afetado vilão, inclusive, foi alvo de críticas de envolvidos na produção, que admitiram exageros nessa versão do Coringa. Não deu certo e, se houver bom senso nos planos do estúdio, não deve se repetir.