Por Osmeire Tobias

É sabido que desde a antiguidade, dos primórdios da existência humana, grupos se formaram para garantia da sobrevivência, manutenção da espécie. Não fomos criados para viver só.

Somos seres sociais, queremos e necessitamos viver em grupos, ter amigos para conversar e dialogar sem interesses, trocar opiniões. Precisamos ter grupos de pessoas de diferentes pensamentos, mas que convivam em harmonia. Sim! somos seres humanos e necessitamos de ombro.

Moramos aglomerados nos centros urbanos, cercados de gente numa relação interdependência. Temos vida virtual nas redes sociais, colecionando likes, momentos de alegria e tristeza, e amigos. No entanto, muitas pessoas acabam vivendo isoladas em sua solidão, elas tem apenas um computador, um tablet ou um smartphone para interagir, mas não tem os olhos de alguém que lhe sorria, que dialogue sobre tudo e todos.

Estamos em um momento onde vivemos mesmo aquela espécie de “Solidão Coletiva” que nos leva a outros terrenos nebulosos onde habitam doenças, e entre elas a depressão.

No Brasil são 11,5 milhões de brasileiros que sofrem desse mal, e até 2020, esta será a doença mais incapacitante do planeta, na previsão da Organização Mundial da Saúde.

A Psicologia e seus profissionais vem acompanhando esse momento e adequando seu atendimento a essa demanda urgente; como denotou a recente resolução do Conselho Federal de Psicologia (CFP) ampliando o atendimento online, por exemplo.

A Terapia em Grupo é uma outra modalidade que possibilita o atendimento psicológico para quem precisa. Ela é uma prática terapêutica que apresenta ótimos resultados e tem ajudado muitas pessoas a superar problemas. É feita em grupos de no mínimo três pessoas que se encontram semanalmente por aproximadamente 1 hora e 30 minutos para trocar experiências, compartilhar dores e sofrimentos e procurar apoio em momentos difíceis, sempre com a mediação do Psicólogo.

Essa condição oferece, além do valor do investimento reduzido, o benefício proporcionar o contato com pessoas que estão passando por situações parecidas com as suas. Através da troca, todos começam a se sentirem mais fortes para enfrentar o problema.

No entanto, sempre será necessária a iniciativa do paciente em buscar ajuda, por isso é importante que cada vez mais possamos esclarecer as pessoas sobre a depressão, suas características e suas consequências.

Osmeire Tobias é Psicóloga, Coaching, Terapeuta Sexual e de Família – CRP 06/55730-0

Quer saber mais sobre a depressão e as terapias? Acesse: http://osmeiretobias.com.br/